Saúde Bucal

Cárie é um dos principais problemas que comprometem a saúde bucal, e com isso, está por trás da maioria das visitas ao dentista. A cárie, assim como o tártaro e a doença periodontal é advinda da evolução da placa bacteriana, e assim, pela má higienização. 

É capaz de impactar negativamente a estética do sorriso, além de que quando se desenvolve com o tempo pode-se aprofundar na estrutura dentária e trazer danos ainda mais graves.

Você acha que sabe tudo sobre a cárie? Veja aqui quais são suas principais causas, sintomas e formas de tratamento:

o que é cárie
A cárie é um dos problemas bucais que mais incomodam os pacientes.

O que é cárie?

As cáries são deteriorações dos dentes que se incidem quando as bactérias da boca se desenvolvem nos restos de alimentos deixados pela escovação. Com o tempo, na ausência do tratamento, se atinge as camadas do dente aos poucos. Assim, trazendo consequências mais graves e que danificam ainda mais a saúde bucal, a estética e as funções da boca.

Quais são as causas da cárie no dente?

A cavidade bucal está sempre repleta de bactérias, o que não está diretamente ligado a um problema. A complicação, por sua vez, ocorre quando a zona bucal se torna um ambiente favorável para elas se desenvolverem na superfície dos dentes, formando a famigerada placa bacteriana.

Quando não há os cuidados necessários quanto à higiene bucal, além da intervenção do dentista, o dano acaba por atingir as estruturas internas e sensíveis da arcada dentária, fazendo com que a situação e os sintomas se agravem.

Antes de virar a cárie, a placa bacteriana se calcifica e forma o tártaro, que mantém a sua característica amarelada, mas saindo da sua textura gosmenta para uma textura áspera e incapaz de ser removida pela escovação.

Tendo em vista que a formação da cárie se relaciona diretamente à adesão de maus hábitos quanto à higienização e alimentação, se trata de uma doença comportamental.

A alimentação e a cárie

Uma dieta baseada em alimentos ricos em açúcar e amido, é uma dieta propensa à incidência de cáries. Isso se deve ao fato desses alimentos colarem mais facilmente no esmalte do dente, dificultando ainda mais a sua remoção pela escovação.

Após ingerirmos essas comidas, as bactérias consomem os seus resíduos nutritivos deixados na dentição, os transformando em um ácido.

Dessa forma, essa toxina além de danificar a estrutura dentária resulta no mau hálito.

Os danos nas estruturas do dente são advindos do processo gradual de desmineração iniciado pelas bactérias. Esse processo, por fim, resulta na formação de manchas esbranquiçadas e que evoluem para a cavidade do dente, e assim na cárie. 

Portanto, procure evitar se alimentar de alimentos como chocolate, pirulitos, balas, pão e massas. Considere que uma vez que instalada no dente, grandes estragos podem ser causados pela cárie.

Em suma, se preocupe em aderir uma alimentação saudável e equilibrada. Procure compreender em sua dieta alimentos que possuam propriedades detergentes, limpando os dentes e equilibrando o pH da boca. Entre esses alimentos ricos em fibras estão a maçã, o pepino, o salsão e a cenoura, além daqueles ricos em proteínas como ovos, carnes e atum.

Quais os sintomas da cárie dentária?

Como dito, os primeiros sinais perceptíveis da formação da cárie envolve o aparecimento de manchas brancas e opacas no esmalte dentário. Esse acontecimento remete a formação do tártaro, que ao ser identificada, deve motivar uma rápida ida à clínica odontológica. Com o tempo, essa marca se tornará brilhante e profunda, caso não haja o tratamento ideal.

A evolução do tártaro para a cárie envolve o ganho de profundidade dessas manchas que se tornam cavidades de coloração amarronzada. O processo de degradação começa no esmalte e logo atinge a dentina, causando dor e sensibilidade. O desconforto e mal-estar, nesse caso, também estão ligados ao acúmulo de restos de alimentos no local.

Quais são as consequências dos dentes com cárie?

Uma vez que a cárie atinge a dentina, a situação fica ainda mais séria e dolorosa. Isso se deve ao fato de a dentina ser a segunda camada do dente, servindo de película protetora a polpa dentária. A polpa do dente, por sua vez, é uma estrutura essencial e composta de vários nervos, o que a torna sensível. 

O início da dor no dente com cárie é uma forma de sinal para que os danos não atinjam essa estrutura e os ossos por trás da sustentação dos dentes. Isso é o que torna esse sintoma ainda mais relevante para que a ação preventiva seja feita de forma efetiva.

Caso isso não ocorra, além da dor se intensificar com a proximidade, consequências como inflamação, morte da polpa e em quadros ainda mais graves, a incidência dos abscessos, podem ocorrer.

Por conseguinte, os abscessos se tratam de uma bolsa de pus que se acumula no tecido gengival afetado e que favorece o contato das bactérias à circulação sanguínea, causando uma série de danos ao organismo.

Por fim, há a perda de funções da dentição, como debilidade na mastigação e fala, além da tendência da doença periodontal e assim, a perda do dente.

Como prevenir a cárie no dente?

Levando em conta que a negligência e a ausência da higiene bucal se trata da principal causa da cárie, a ação preventiva atua justamente nesse hábito. 

Muitas pessoas, em decorrência da correria do dia-a-dia, ignoram a frequência dos cuidados com a saúde bucal ou até mesmo se limitam a apenas um deles.

A escovação, por exemplo, não consegue promover uma limpeza eficiente à arcada dentária sozinha, mesmo com a adesão de suas boas técnicas.

O uso do fio dental e do enxaguante bucal, tal como, devem ser diários, acompanhando uma das escovações. 

Quanto à escovação, por sua vez, deve ser feita ao menos 2 vezes ao dia, juntamente a um creme dental com flúor. A frequência indicada é que ela seja feita logo ao acordar, nos intervalos entre refeições e ao adormecer. Deve-se atentar ainda mais quanto a sua execução noturna, uma vez que na parte da noite a salivação diminui, tornando a área ainda mais propícia a formação e a evolução da placa.

O uso do fio dental é essencial e não deve ser subestimado, assim como o bochecho com o antisséptico. É com esses hábitos adicionais que a higiene bucal se torna completa, removendo os resíduos alimentares que a escova não é capaz de tirar, e otimizando a limpeza bucal. O bochecho com o antisséptico deve durar até 30 segundos para ter efeito.

Ademais, uma boa ingestão de água auxilia a equilibrar o pH da boca e estimula a produção de saliva, diminuindo a acidez bucal e tornando a região menos propensa aos problemas bucais já citados.

cárie inicial
O tratamento da cárie pode ser feito por meio da restauração dentária ou do tratamento de canal.

Formas de tratamento para cárie inicial

Deve-se ter em vista desde o início de que não existe uma alternativa caseira para o tratamento da cárie. Ao contrário da ação preventiva, o tratamento deve ser feito no consultório odontológico por meio de certos procedimentos específicos.

Entre esses procedimentos estão a restauração de dente e o tratamento de canal, que se divergem quanto à gravidade do caso.

Se tratando da restauração dentária, se trata do processo de reconstrução do dente danificado, devolvendo as suas características e funções. Geralmente, 1 sessão da restauração já basta para eliminar a cárie e o tecido atingido, logo após havendo a aplicação de resina composta ou amálgama no buraco feito.

Já o tratamento de canal realiza a manutenção do dente, removendo o tecido inflamado ou infeccionado que envolve a polpa dentária, que se danificada também é removida. Por fim, há a limpeza do local que é coberto em seguida.

Visitas regulares ao dentista

Para que a ação preventiva seja feita de forma eficaz, além dos cuidados caseiros, deve-se manter o acompanhamento odontológico proporcionado pelas visitas regulares ao dentista. 

É somente pelas visitas periódicas à clínica odontológica que há o diagnóstico do problema, e assim, o encaminhamento a forma de tratamento mais indicada. É somente pela avaliação precisa e pelo diagnóstico profissional que a complicação pode ser devidamente identificada ainda em sua fase inicial.

Além disso, é com o contato periódico com o dentista que procedimentos também regulares podem ser feitos. Procedimentos como a profilaxia, a limpeza de dente em consultório, que são essenciais para evitar a ação nociva dos microrganismos presentes na zona bucal.

O indicado é que as visitas ao dentista sejam feitas de 6 em 6 meses.

Portanto, o plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários!

               
Artigo anterior

               
Próximo Artigo

Deixe seu comentário