Saúde Bucal

O cáseo amigdaliano é um dos problemas que afetam a saúde das amígdalas. Comumente confundida com amigdalite, essa complicação não pode ser tratada pelo uso de antibióticos e possui outros tipos de sintomas.

Saiba aqui tudo o que você precisa saber sobre o aparecimento do cáseo, suas principais causas, como identificar, e as melhores formas de tratamento:

O que é o cáseo amigdaliano?

O cáseo amigdaliano, tonsiólito ou no latim caseum, que significa queijo, se trata do aparecimento de substâncias amareladas ou esbranquiçadas nas cavitações (criptas) presentes nas amígdalas ou tonsilas.

Essas bolinhas na garganta possuem um forte e desagradável odor e normalmente liberam uma secreção endurecida, também de mesma característica. Uma vez que haja o aparecimento do cáseo, outra queixa que pode ser feita é da presença de um corpo estranho na amígdala.

Os cáseos, por sua vez, são formados por células descamadas da boca, associadas a proteínas da saliva e a restos de alimentos que são fonte de alimento para bactérias e microrganismos. Uma vez que as bactérias se alimentam de proteínas, há a liberação de toxinas, e assim a formação do mau hálito.

Por fim, os cáseos amigdalianos podem ser expelidos por meio de espirros, tosse e até mesmo por meio da fala, além de tratamentos específicos.

Adultos que possuem casos frequentes de amigdalite tendem a ser mais suscetíveis a terem cáseos. Uma vez que o cáseo é um problema frequente e resultante de uma amigdalite crônica, pode ser necessária a realização de uma cirurgia para a retirada das amígdalas.

Os cáseos não são um problema perigoso, mas em casos em que suas pedras forem grandes, suas bactérias podem colaborar para o surgimento da Amigdalite.

Cáseo Amigdaliano

Quais são os sintomas do Cáseo Amigdaliano?

O cáseo amigdaliano pode ser identificado por vários sintomas. Entre os principais sinais da doença estão:

  • Aparecimento de bolinhas brancas ou amarelas nas amígdalas;
  • Dor durante a ingestão;
  • Dor de garganta;
  • Dificuldade de deglutir alimentos;
  • Inchaço das Amígdalas – devido ao processo inflamatório pela reação das bactérias;
  • Halitose (mau hálito);
  • Alterações no paladar;
  • Sensação de corpo estranho na garganta;
  • Roncos;
  • Dor de ouvido – em alguns casos.

Na percepção desses sinais pelo paciente e pelo dentista, o paciente deve recorrer imediatamente a uma consulta com um otorrinolaringologista para que haja o diagnóstico do problema, de sua causa principal e para que assim a pessoa seja encaminhada ao tratamento adequado.   

Vale destacar que no começo as bolinhas pequenas do cáseo tendem a ser assintomáticas, adquirindo os sintomas com o passar do tempo.

Quais são as principais causas do cáseo amigdaliano?

O aparecimento do cáseo amigdaliano pode ser motivado por diversos fatores. Contudo, a principal causa do problema é o acúmulo de restos de comida na extensão das amígdalas, contribuindo para que haja a proliferação de microrganismos na região e assim o processo de inflamação.

Entre os fatores de risco para esse acúmulo estão a má higiene bucal, alguns medicamentos que causam a boca seca, como os de hipertensão e depressão, além de complicações como sinusite, rinite e reações alérgicas, já que todas essas circunstâncias favorecem o acúmulo de muco na amígdala.

Quais as melhores formas de tratar o cáseo?

O tratamento do cáseo tem como principal objetivo remover as bolinhas das amígdalas, além de reduzir o acúmulo de muco na região.

Contudo, vale destacar que os cáseos amigdalianos são capazes de desprender naturalmente, podendo ser expelidos por meio de espirros e tosse, podendo até mesmo ser engolido pela pessoa sem perceber.

Independente da abordagem de tratamento utilizada, os sinais de melhora do cáseo tendem a ser percebidos após um período de 3 dias.

Entre as principais formas de tratamento estão gargarejo com substâncias caseiras, salinas ou antissépticas, enxaguante bucal, uso de curetas, cotonete, uso de anti-inflamatórios, e até mesmo pela remoção cirúrgica das amígdalas.

Receitas caseiras

As receitas caseiras indicadas para o tratamento do cáseo possuem propriedades antissépticas e anti-inflamatórias. Dessa forma, atuam no alívio de seus sintomas e também em sua ação preventiva.

Entre as receitas estão:

  • Enxaguante de romã e própolis – 20 gramas de folhas e flores de romã, 3 gotas de própolis em 2 xícaras de água fervida – Gargarejo de ao menos 30 segundos, 5 vezes ao dia.
  • Solução de água com sal – um copo com água (morna) com uma colher de chá de sal – 3 vezes ao dia por ao menos 40 segundos.
  • Vinagre de maçã – meio copo com água e uma colher de chá de vinagre de maçã – 3 vezes ao dia por ao menos 40 segundos.
  • Chá de tanchagem – 10 gramas de folhas de tanchagem em 500 mL de água fervente, deixando a solução em repouso por ao menos 15 minutos – A ingestão pode ser feita ao cerca de 3 xícaras do chá por dia.

Enxaguante bucal

A indicação do enxaguante bucal ideal para o tratamento do cáseo e para o controle das bactérias podem ser feitas pelo dentista.

No geral o produto deve conter substâncias oxigenantes para que haja a prevenção e o controle de bactérias anaeróbias e seja feita assim uma ação antibacteriana e a prevenção da formação do cáseo e do mau hálito.

O enxaguante pode ainda ser fluoretado para otimizar a limpeza da zona bucal, podendo ser usado ao menos 1 vez ao dia. A utilização de um antisséptico bucal com álcool, pelo contrário, pode ser contraindicada, já que pode danificar os dentes.

Cotonete

A remoção das bolinhas do cáseo também pode ser feita pela utilização de um cotonete. Nesse caso, o cotonete deve ser manuseado com cuidado em um movimento de baixo para cima, evitando ingestões.

Não é necessário se realizar muita força para que os cáseos sejam removidos, sendo indicado a utilização de movimentos suaves. Movimentos bruscos podem causar sangramentos e machucar as tonsilas. É por essa tendência a danos que faz dessa técnica não ser tão indicada e ser contraindicada em crianças.

Assim que feita a retirada do cáseo é indicado realizar o gargarejo com o enxaguante bucal mais adequado ou por um dos tipos de remédios caseiros.

Tosses

Tosses

Forçar tosses também é uma forma de fazer com que os cáseos amigdalianos se soltem. Contudo, ainda aqui é necessário ter um certo cuidado, já que a garganta e as amígdalas são frágeis e podem se machucar.

Caso esse técnica seja eficiente, também é indicado que haja um bochecho com um antisséptico bucal após a soltura, realizando assim a eliminação de resíduos bacterianos restantes.

Fármacos

Não há medicamentos específicos para o tratamento do cáseo, contudo, em casos em que o aparecimento das bolinhas esteja relacionado a complicações como faringite bacteriana ou laringite, o médico especialista pode indicar o uso de alguns tipos de antibióticos.

No entanto, essa indicação será feita em casos de infecção grave e associada a outros problemas envolvendo a saúde da garganta.

Oil pulling

A técnica de oil pulling faz parte da tradição ayurvédica e consiste na utilização de óleos essenciais. Não possui provação científica, contudo não possui contraindicações.

O oil pulling é um método que irá atuar ajudando na limpeza profunda das amígdalas e da zona bucal.

Para sua execução é necessário misturar uma colher de chá de óleo, seja de coco, gergelim, oliva ou girassol com uma gota de óleo essencial, para a otimização do sabor.

Criptólise Amigdaliana

A criptólise amigdaliana é outra técnica que pode ser usada a favor do tratamento do cáseo ou de sua ação preventiva. É um procedimento à laser que tem como objetivo alisar o tecido das amígdalas, fazendo a remoção das criptas juntamente das pedras formadas em seu interior.

O indivíduo também pode optar por uma criptólise por ondas de rádio, que também possui resultados satisfatórios e tem como vantagem um procedimento livre da ardência proporcionada pelo laser.

Contudo, ambos os tipos de abordagem não garantem que haja a nova formação do cáseo.

Cirurgia

O processo cirúrgico somente será indicado em casos que as medidas acima não sejam eficientes, isso diante dos frequentes casos de amigdalites (crônica) e de cáseo, ou de halitose também sem tratamento eficaz.

A cirurgia feita nesse caso é a de amigdalectomia, que faz a remoção das duas amígdalas.

Após a realização desse processo cirúrgico é necessário seguir à risca as recomendações do médico, uma vez que pode contar com dores de garganta e ouvido persistentes.

Vale destacar que mesmo com a cirurgia, há casos em que as amígdalas podem voltar a se desenvolver e assim, as pedras dos cáseos também.

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares ao consultório odontológico são essenciais para que haja a manutenção dos cuidados essenciais para com a saúde bucal, e assim o acompanhamento odontológico ideal.

É também por essas visitas periódicas que o dentista é capaz de analisar a qualidade da higiene bucal do paciente e assim o orientar e encaminhar para tratamentos preventivos como a profilaxia (limpeza profissional).

A frequência indicada ao consultório é de 6 em 6 meses. Caso a remoção do cáseo não seja possível de ser feita em casa, mesmo após um período de 5 dias, o dentista ou um otorrinolaringologista pode ajudar na retirada.

O plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários!

               
Artigo anterior

               
Próximo Artigo

Deixe seu comentário