Especialidades

Com o avanço da tecnologia, a odontologia passou a oferecer procedimentos que trazem benefícios além do sorriso. Entre esses procedimentos estéticos está a sua participação na cirurgia ortognática que é capaz de proporcionar vantagens para toda a face.

Saiba aqui quais são os benefícios da cirurgia ortognática antes e depois, como funciona o tratamento e o seu pós-operatório:

O que é a cirurgia ortognática?

A cirurgia ortognática é o processo cirúrgico responsável por trazer o alinhamento da maxila (maxilar superior) e da mandíbula (maxilar inferior). O principal objetivo da técnica é a correção de irregularidades e imperfeições que envolvam a forma da face e maxilomandibular, acabando por trazer o melhor posicionamento dos dentes.

O procedimento é realizado pelo trabalho de um ortodontista e de um cirurgião bucomaxilofacial, requerendo de uma avaliação e a realização de uma série de exames para ser indicada.

Pela cirurgia ortognática há a correção de alterações de crescimento nos ossos da face, incluindo a maxila, mandíbula e o mento, que é o osso da região do queixo. Essas são as regiões que geralmente são comprometidas por mudanças de desenvolvimento envolvendo a face e suas características.

Graças a participação do dentista especialista, por meio da cirurgia é possível ter o realinhamento em relação aos dentes, otimizando as funções do sorriso, como a fala e mastigação.

A recomendação da cirurgia ortognática é feita a partir da classificação ortognática, que determina como a arcada dentária superior se conecta com a inferior. Essa divisão é feita em Classe 2 e Classe 3, que segmentam como irá ser feita a cirurgia pelo posicionamento do maxilar.

Classe 2: Os dentes da arcada superior (maxila) se encontram mais para frente do que o normal (classe 1), resultando em um queixo retraído.

Classe 3: Mandíbula muito para frente e arcada inferior à frente da arcada superior (queixo alongado).

Como é feita a cirurgia ortognática?

Após a recomendação profissional, o primeiro passo é a correção do posicionamento dos dentes por um tratamento ortodôntico, já que os dentes precisam estar alinhados para que a cirurgia possa ser feita sem obstáculos e proporcionar um melhor efeito ao final do tratamento.

Essa fase é feita sob o acompanhamento odontológico e não busca, ainda, o melhor encaixe das arcos e a correção de problemas de oclusão, sendo o objetivo de fato fazer a preparação da arcada dentária, para que o cirurgião solucione o problema pela movimentação das bases ósseas no momento da cirurgia.

O indicado é que o paciente passe pelo uso de aparelho ortodôntico por no mínimo 2 anos para que haja a reposição dos dentes em função da estrutura óssea. Pode ser feito ainda um acompanhamento multidisciplinar associando o tratamento ortodôntico a sessões de fisioterapia.

Passado os 2 anos se realiza uma simulação da cirurgia para que o paciente já seja capaz de visualizar o resultado final e os benefícios estéticos do procedimento.

Finalizada a preparação, a cirurgia é planejada e feita em ambiente hospitalar, durando em média de 3 a 4 horas. É realizada sob anestesia geral, compreendendo incisões dentro da boca, não apresentando assim cicatrizes externas e visíveis.

Durante a cirurgia são feitos cortes e rupturas para o reposicionamento dos ossos, isso pela fixação de placas e parafusos de titânio. Por fim, há o ganho de harmonia e uma melhor proporção do rosto.

A cirurgia é possibilitada pelo SUS de forma gratuita, se restringindo a necessidades que envolvam o funcional e que comprometam a saúde. Diante somente de fins estéticos ela deverá ser feita em hospitais e clínicas particulares.

É importante ressaltar que durante todo o processo deve haver o trabalho em conjunto e harmonioso entre médico e o dentista.

Ao decorrer do processo pode-se haver a ajuda de outros profissionais, como nutricionistas e psicólogos, já que o processo do tratamento e o período de adaptação pode se estender por muitos anos dependendo da gravidade do caso.

Quando a cirurgia ortognática é indicada

Quando a cirurgia ortognática é indicada?

A cirurgia ortognática possui uma série de indicações que devem ser consideradas em meio ao seu planejamento. Entre as principais motivações da técnica estão:

  • Maxilar posicionado de forma incorreta pelo crescimento facial;
  • Oclusão alterada;
  • Deformidades dentofaciais;
  • Prognatismo mandibular (queixo grande ou classe III);
  • Micrognatismo ou retração mandibular (queixo pequeno ou classe II);
  • Assimetrias maxilomandibulares (face torta);
  • Face longa (sorriso gengival);
  • Face curta;
  • Deficiência transversal (atresia);
  • Apneia obstrutiva do sono.

Por fim, a cirurgia é indicada em casos de alterações do desenvolvimento do esqueleto facial e dos dentes, sendo a solução em casos complexos.

Na ausência de tratamento, essas debilidades podem trazer outras complicações à saúde, como: apinhamento dentário demasiado, mordida aberta, dificuldade durante os movimentos da boca, respiração bucal crônica, dificuldade na fala e mastigação, e apneia do sono.

Cirurgia ortognática antes e depois: quais os benefícios?

Já nos primeiros momentos após a concretização da cirurgia, é possível perceber as correções que envolvem a oclusão dentária, a simetria e o contorno facial. Além disso, também pela atuação inicial do ortodontista, há a melhora da fala, mastigação e digestão.

Tendo isso em vista, os benefícios da técnica não se limitam apenas a estética facial, proporcionando até mesmo a melhora de disfunções na Articulação Temporomandibular (ATM).

O paciente então é beneficiado tanto em sua autoestima, quanto em seus relacionamentos, seja pessoal ou interpessoal.

Uma vez que a cirurgia ortognática também é uma das soluções para problemas de apneia do sono, apresenta então melhoras quanto à qualidade do sono e na qualidade de vida.

Por fim, a cirurgia ortognática possui uma importante ação preventiva, corrigindo alterações no crescimento de maxilares e prevenindo desde distúrbios estéticos, à problemas de mordida e respiração.

Quais são os possíveis riscos?

Entre os possíveis riscos da cirurgia ortognática estão:

  • Formação de edemas (inchaços);
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Dor;
  • Sangramentos (boca e nariz);
  • Infecções no local dos cortes;
  • Perda da sensibilidade dos nervos;
  • Fraturas dentárias;
  • Movimento mandibular debilitado;
  • Má consolidação óssea.

No entanto, vale ressaltar que esses sintomas são raros, mas sempre opte por clínicas especializadas e por médicos e dentistas confiáveis e especializados.

Assim como demais procedimentos cirúrgicos, a cirurgia é contraindicada diante de patologias sistêmicas desequilibradas (cardíacas, hepáticas, renais) e alterações sanguíneas graves, sob o risco de complicações.

Como é o pós operatório?

O pós-operatório da cirurgia ortognática é bem longo, podendo se observar realmente o resultado final após um período de 3 meses. Após a cirurgia e recebida a alta, o paciente irá perceber a formação de edemas, além de perceber uma certa dificuldade de abrir a boca e se alimentar.

Com isso, nas primeiras semanas o ideal é que a alimentação se baseie em alimentos de consistência pastosa e líquida, evitando esforços mastigatórios. Aqui também são bem-vindas as sessões de fisioterapia para que haja a redução do inchaço e a melhora da função mandibular.

Nos primeiros 5 dias após a alta de 1 semana, o paciente deve continuar em repouso, podendo voltar às suas atividades cotidianas gradualmente e somente com o consentimento do cirurgião bucomaxilofacial.

A recuperação pode durar cerca de 3 a 4 semanas e também envolve uma higiene bucal adequada e medicação por anti-inflamatórios e analgésicos.

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares ao dentista são decisivas para que seja possível adquirir os benefícios da cirurgia ortognática o quanto antes, sendo o dentista o primeiro a reconhecer o problema.

Mantendo a periodicidade das idas ao consultório odontológico, você pode ser beneficiado além do tratamento ortodôntico, por outros tratamentos essenciais, como a profilaxia (limpeza profissional), que deve ser feita em a cada 6 meses.

Portanto, o plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários!

Deixe seu comentário