Especialidades

A frenectomia é uma das cirurgias que podem ser feitas pelo dentista para a melhora da saúde bucal e da estética do sorriso.

Veja aqui como é feita a cirurgia, quando ela é indicada, quais são os seus benefícios e como é o seu pós-operatório:

O que é frenectomia?

Frenectomia é o nome dado à cirurgia responsável pela remoção do freio da boca. O freio se trata de uma “prega” fina de tecido fibroso, e quando encontrado em excesso na boca pode ser removido por esse tipo de intervenção cirúrgica.

Há dois tipos básicos de freio: o lingual e o labial. O freio lingual é aquele localizado entre a base da língua e o assoalho bucal, que quando se encontra em tamanho exagerado, pode provocar um problema chamado “língua presa” (anquiloglossia), atrapalhando os movimentos da língua.

Já o freio labial se encontra na arcada superior, conectando o tecido gengival ao lábio. Caso esse tipo de membrana for muito largo ou longo pode influenciar um espaçamento entre os dois dentes da frente. Isso pois o freio labial é capaz de conectar o tecido gengival entre os dentes e se prolongar até a parte frontal do céu da boca.

É buscando solucionar esses problemas e melhorar a estética do sorriso que a remoção de parte do freio é indicada. O procedimento de frenectomia pode ser feito por um dentista generalista, por um cirurgião-dentista e até mesmo por um outro tipo de especialista, já que é considerada uma cirurgia simples.

Para que os benefícios da frenectomia para com os movimentos adequados da língua, quanto a fala e a deglutição sejam percebidos o freio pode ser cortado parcialmente ou totalmente, dependendo da observação do dentista.

Como é feita a cirurgia de frenectomia

Como é feita a cirurgia de frenectomia?

A cirurgia de frenectomia se trata de um procedimento simples e que pode ser executada em duas técnicas distintas. Vale ressaltar que independente do tipo de abordagem escolhida, a cirurgia é indolor, já que é aplicada previamente uma anestesia local.

Conheça quais são:

Técnica convencional: A técnica convencional da cirurgia é feita utilizando um bisturi normal, realizando cortes ou a divisão do freio, seja ele lingual ou labial. Logo após o corte é feito uma costura nos tecidos moles, sendo feitos pontos reabsorvíveis ou não reabsorvíveis.

Contudo, deve-se atentar que os reabsorvíveis devem ser removidos após  um tempo, entre 7 a 10 dias.

Técnica a laser:  A diferença da frenectomia a laser para com a convencional é a substituição do bisturi convencional pelo bisturi elétrico. Dessa forma, há a redução do tempo da cirurgia, já que há a coagulação e a esterilização imediata do sangue após o corte.

Dessa forma, não é necessário ser feita a sutura, diminuindo a formação do edema depois da cirurgia e o trauma dos tecidos moles envolvidos. Assim sendo, o pós-operatório é ainda mais tranquilo, o que faz esse tipo de cirurgia o mais indicado.

Quais são as indicações da frenectomia?

A frenectomia pode ser indicada para uma série de casos específicos, variando de acordo com o freio afetado:

Freio labial

  •         Diastema interincisivo;
  •         Problemas ortodônticos;
  •         Alterações da fonética (associadas à presença de um diastema extenso);
  •         Mobilidade do lábio limitada pela inserção muito baixa do freio labial;
  •         Melhora estética – sorriso alto ou sorriso gengival;
  •         Instabilidade de próteses dentárias.

Freio lingual

  •         Movimentos da língua limitados (freio muito curto perto da ponta da língua);
  •         Alterações na fonética;
  •         Dificuldade ou transtorno na mastigação;
  •         Traumatismo – lesões pela raspagem do freio nos incisivos inferiores.

Casos de freio lingual muito curto são mais comuns em recém-nascidos ou lactantes. Diante dessas situações, pode-se ser detectados transtornos na alimentação e durante a sucção, podendo ser necessário realizar uma frenectomia lingual no bebê. A cirurgia é recomendada contanto que não haja nenhuma contraindicação.

Quais são os riscos e as complicações da frenectomia?

A frenectomia é uma cirurgia que apresenta riscos mínimos, justamente por não se tratar de um procedimento complexo.

No entanto, é importante se atentar quanto a algumas complicações pós-operatórias possíveis como pequenas hemorragias, dor ou sangramento excessivo (especialmente no freio lingual), aparecimento de edemas, inflamação ou infecção em casos raro.

Para a realização do tratamento é importante se atentar quanto ao profissional que realizará o procedimento, já que pode haver o risco de lesões nas demais estruturas próximas ao freio diante de uma abordagem incorreta. Contudo, essas lesões por si são reversíveis, fazendo com que as sequelas não sejam dignas de registo.

A frenectomia não possui contraindicações quanto a idade, uma vez que já nos 2 anos de idade já se é possível detectar anormalidades como um freio mais grosso, devendo a criança já ser encaminhada ao procedimento, evitando complicações quanto a qualidade de vida.

No entanto, o freio anormal entre os 2 e os 4 anos de idade pode evoluir para uma situação normal aos 8 ou 9 anos. Logo, cabe a análise e a expectativa do profissional decidir se a cirurgia é ou não viável.

Há ainda especialistas que indicam o processo cirúrgico apenas após a erupção completa dos caninos, que ocorre por volta dos 11 e 13 anos, já que o seu nascimento pode promover o fechamento natural do diastema pela acomodação dos dentes.

Como é o pós-operatório da Frenectomia

Como é o pós-operatório da Frenectomia?

A recuperação do procedimento de frenectomia tende a ser um procedimento bem tranquilo e bem rápido, não havendo necessidade de repouso após a cirurgia. Contudo, para se evitar certas complicações é necessário levar em conta alguns cuidados, tais como:

  •         Seguir a medicação passada pelo dentista à risca (analgésicos e/ou anti-inflamatórios);
  •         Evitar alimentos duros e quentes nos primeiros dias (optando por alimentos líquidos e pastosos);
  •         Aplicação de compressa de gelo para alívio de possíveis dores;
  •         Manter a higiene bucal adequada em dia;
  •         Evitar locais quentes e exposição ao sol;
  •         Evitar atividade física até a remoção dos pontos;
  •         Não fumar.

É importante que haja o retorno ao consultório odontológico uma semana após o procedimento, buscando avaliar a condição da zona bucal e se houve a recuperação total do local. Diante de sangramento constante (após as primeiras 24 horas) e febre, não hesite em contatar seu dentista.

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares ao dentista são essenciais para a detecção do problema, para a realização e o acompanhamento da cirurgia de frenectomia.

Além disso, é por meio da periodicidade ao consultório odontológico que se é possível realizar os procedimentos regulares, como a profilaxia (limpeza profissional) e se manter os benefícios à saúde bucal.

É também por essa frequência que o dentista é capaz de realizar a ação preventiva de problemas bucais, como a cárie, orientando o paciente quanto a bons hábitos.

O indicado é que as visitas ao dentista sejam feitas ao menos 2 vezes ao ano (6 em 6 meses).

Portanto, o plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários.

Tags :
               
Artigo anterior

               
Próximo Artigo

Deixe seu comentário