Saúde Bucal

O maxilar estalando é sintoma que muitas vezes é ignorado, mas que pode significar uma série de complicações.

Veja aqui quais são as principais causas do maxilar estalando e como tratar:

O que é maxilar estalando?

Você já se deparou com estalos no maxilar e pensou no que poderia ser? Esse é um sintoma muito comum entre complicações e doenças, podendo significar uma série de danos à saúde.

Comumente, a parte do osso maxilar afetada é a parte inferior (mandíbula), e geralmente os estalos na região ocorrem em meio a mastigação ou bocejar.

É importante que diante aos estalos do maxilar o dentista seja consultado já nos primeiros momentos, buscando diagnosticar o problema e se ele está relacionado somente a saúde bucal, ou se também envolve a saúde geral.

Quais são as possíveis causas do maxilar estalando?

Os estalos sentidos no maxilar podem ser sintoma de uma série de complicações leves, moderadas ou graves e geralmente vem acompanhados de dores e incômodo, comprometendo a fala e a mastigação.

Veja quais são as principais causas por trás do maxilar estalando:

Distúrbios na ATM e DTM

A maioria dos casos de maxilar estalando está associado a problemas na Articulação Temporomandibular (ATM). A ATM é a articulação da mandíbula e de seus músculos e é responsável pelo movimento de abrir e fechar a boca. Está localizada próxima ao ouvido, fazendo o ligamento entre a mandíbula ao crânio por meio da cartilagem.

Casos de DTM podem ser motivados por uma série de possíveis causas, tal como estresse e hábitos parafuncionais como apertamento dos dentes, hábito de roer as unhas e mascar chiclete frequentemente.

Entre os principais sintomas da DTM estão dores de cabeça constantes, dores pela face (na região da mandíbula), dores cervicais, dores de ouvido, desgaste dentário (devido ao renger dos dentes).

Bruxismo

Bruxismo

O bruxismo é um distúrbio bem comum durante o sono e que está associado ao hábito de ranger os dentes que pode afetar pessoas independente da faixa etária. Essa pressão entre os arcos dentários pode trazer danos à saúde bucal, como o desgaste gradual dos dentes.

Esse contato silencioso pode ser detectado principalmente durante o sono, mas também pode se tratar de um hábito parafuncional mantido ao longo do dia.

Entre as possíveis causas por trás do bruxismo estão o estresse diário, ansiedade excessiva, causas psicológicas e alguns distúrbios neurológicos. Outros tipos de distúrbios do sono e problemas de desalinhamento dos dentes e má oclusão dentária podem estar associados ao aparecimento dessa desordem funcional.

Fatores de risco para o bruxismo incluem tabaco, álcool, uso de drogas e o uso de certos medicamentos psiquiátricos.

Na falta de tratamento, o bruxismo pode causar danos graves como dor e mobilidade dos dentes, dor na ATM e dor facial pela força que os músculos maxilares são pressionados, além do maxilar estalando.

Má oclusão dentária

A má oclusão dentária se trata de uma anomalia envolvendo a mordida da dentição, que engloba uma anormalidade no mecanismo de encaixe entre os dentes superiores e os dentes inferiores.

Quando não tratada, a má oclusão dentária pode trazer danos, não só aos dentes, mas às suas estruturas de sustentação, tal como o tecido gengival, músculos, articulações e estrutura óssea.

Infecção 

Os estalos sentidos no maxilar também podem estar relacionados a um caso de infecção nas glândulas salivares, que podem motivar disfunções nas articulações temporomandibulares. 

Entre os sintomas que a infecção das glândulas pode trazer estão dificuldade para abrir a boca, dor local, gosto ruim na boca, acúmulo de pus e o inchaço do rosto e pescoço.

Lesões na mandíbula

O maxilar estalando também pode ser resultante de lesões na mandíbula, podendo ser por quedas ou choques de forte impacto. Dessa forma, pode haver tanto a quebra quanto o deslocamento do osso da mandíbula.

Entre outros possíveis sintomas da lesão da mandíbula estão dormência da região, sangramento, formação de hematoma e inchaço.

É importante que diante desse tipo de lesão, se recorra imediatamente a uma ajuda médica para evitar complicações.

Artrite

Se tratando da saúde geral, a artrite é uma doença autoimune que pode causar danos e perda da cartilagem da articulação temporomandibular, impedindo que os movimentos não só da mandíbula, mas de outras partes do corpo, não sejam realizados corretamente.

Entre os sintomas estão dores e inchaço localizados, rigidez e maxilar estalando em casos em que a mandíbula for afetada. 

Câncer

Mesmo que em casos muito raros, o maxilar estalando pode ser o sintoma de câncer por sua extensão ou proximidades, podendo ser encontrado na língua, lábios, bochechas e gengiva.

Entre os demais sintomas do tumor estão inchaço, perda dentária, aparecimento e evolução de um caroço na boca, inchaço do pescoço e perda acentuada do peso.

Maxilar estalando

Maxilar estalando, como tratar e qual médico procurar?

O tratamento do maxilar estalando vai depender de sua causa principal diagnosticada. É importante levar em conta se a complicação envolve a saúde bucal ou geral, recorrendo ao dentista no primeiro caso e ao médico do segundo.
Veja quais são as possíveis formas de tratamento do maxilar:

Disfunções da ATM: Em caso de DTM, o dentista pode recomendar o uso de medicamentos de relaxante muscular, anti-inflamatórios, uso de placas de mordida, algumas práticas de relaxamento e sessões com o psicólogo. Casos mais graves podem envolver cirurgia.

Bruxismo: O Bruxismo é um distúrbio que não possui cura, porém é tratável. O mais indicado nesses casos é o uso de placas de mordida, práticas relaxantes, terapia psicológica e o uso de relaxantes musculares e ansiolíticos quando prescritos pelo dentista.

Má oclusão dentária: O tratamento da má oclusão dentária somente será necessário em casos em que os dentes estão muito desviados, sendo o tratamento iniciado pelo uso de aparelho ortodôntico entre um período de 6 meses e 2 anos. Dependendo do grau de má oclusão o tratamento também pode requerer a finalização por cirurgia ortognática.

Infecção: O tratamento de infecções vai se restringir a medicação prescrita pelo dentista, podendo associar antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios.

Lesões na mandíbula: O tratamento para as lesões da mandíbula é bem variável, uma vez que depende do local em que ocorreu a fratura. Cabe ao dentista ou médico encaminhar o paciente a um exame de imagem e logo em seguida a abordagem ideal.

Artrite: A doença não possui cura, mas pode ser tratada pela prescrição médica de alguns medicamentos, sessões de fisioterapia, e em casos mais complexos podem ser feitas cirurgias.

Câncer: O tratamento do câncer vai variar de acordo com a região afetada pelo tumor e de sua extensão, dessa forma, o médico deve ser consultado logo na fase inicial dos sintomas.

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares ao dentista são essenciais para que haja o acompanhamento odontológico necessário e a manutenção da saúde bucal.

É por meio das visitas periódicas ao consultório odontológico que também se é possível diagnosticar problemas envolvendo os dentes e suas estruturas de sustentação em sua fase inicial.

A frequência indicada dessas visitas é de ao menos 2 vezes ao ano (de 6 em 6 meses), variando de acordo com as particularidades do caso.

Portanto, o plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários.

Deixe seu comentário